sábado, 1 de setembro de 2012

Escrita Ortográfica & Crianças

 
 
VARIAÇÕES ORTOGRÁFICAS E A NORMA
OS TIPOS DE ERROS ORTOGRÁFICOS QUE 
AS CRIANÇAS COMETEM AO ESCREVER

A aprendizagem da ortografia vem passando por diversas mudanças no decorrer dos anos. Inicialmente, esse aprendizado era visto como um processo reprodutivo, baseado em treino e memorização. As crianças eram levadas a fazer cópias e ditados a fim de decorar a grafia correta das palavras. Atualmente, propõe-se uma visão gerativa da ortografia, admitindo que as crianças geram a grafia das palavras de acordo com sua concepção e conhecimento da língua escrita (Cardoso-Martins,1995; Morais, 2000, 2003; Lemle, 2003). As crianças têm, portanto, um papel ativo no processo de aprendizado do sistema de escrita.

Sendo assim, os erros ortográficos que as crianças cometem ao escrever ganham um novo sentido. Os erros ortográficos das crianças expressam o já sabem sobre o sistema ortográfico e como o que ainda não sabem. Dessa forma, os erros passam a ser uma importante fonte de conhecimento sobre o processo de aprendizado da linguagem escrita pela criança.
Os erros ortográficos que aparecem comumente no texto das crianças principalmente nas primeiras séries do Ensino Fundamental (Carraher, 1985; Correa, 2001; Meireles, 2004, Souza, 2006), onde as crianças se encontram numa fase de transição da escrita alfabética para uma escrita ortográfica, podem ser assim classificados:
a) Troca entre letras com sons foneticamente semelhantes – a criança troca letras que possuem alguma semelhança fonética. As trocas mais comuns são os fonemas sonoros (/b/,/d/,/g/,/v/) pelos surdos (/p/,/t/,/k/,/f/). Exs: chocolade (chocolate), era uma fez (era uma vez), laco (lago).
b) Dificuldade no uso de marcadores de nasalização – a criança pode omitir, trocar ou usar de modo não-convencional os marcadores da nasalização. Exs: criaças (crianças), bamho (banho), demte (dente).
c) Dificuldade com as regularidades contextuais – a criança ao escrever não leva em consideração o contexto, ou seja, a posição da letra na palavra, para escolher a letra ou dígrafo que representem o fonema que quer escrever. Exs: coragosa (corajosa), pasear (passear), serreias (sereias).
d) Dificuldade na escrita das regularidades morfossintáticas – a criança erra por não levar em consideração os aspectos morfossintáticos da língua que regem a grafia da palavra. Exs: acharão (acharam), falace (falasse).
e) Dificuldade na marcação de acentos gráficos – a criança omite o acento gráfico ou acentua a palavra de forma indevida. Exs: nao (não), la (lá), historia (história).
f) Dificuldade na escrita de sílabas complexas – a criança encontra dificuldade na escrita de mais sílabas complexas, ou seja, daquelas que fogem do padrão consoante-vogal (CV). Esta dificuldade pode aumentar no caso de encontros consonantais, dígrafos ou sílabas travadas. Exs: sempe (sempre), bincando (brincando), melor (melhor).
g) Erros de Segmentação – A criança pode agrupar as palavras indevidamente (hipossegmentação) ou desmembrar as palavras em dois ou mais segmentos (hipersegmentação). Exs: sichamava (se chamava), em controu (encontrou), nafloresta (na floresta).
h) Modificações na palavra – a criança omite, adiciona ou desloca letras, dificultando a compreensão da palavra. Exs: espe (sempre), emtarro (entraram).
i) Erros por referência à fala – nas hipóteses iniciais da criança acerca da relação entre a língua falada e a língua escrita, as relações entre as letras e fonemas são concebidas de maneira biunívoca. Sendo assim, a criança erra ao tentar reproduzir em sua escrita a palavra da mesma forma como esta é pronunciada, fazendo uso da hipótese da regularidade de natureza biunívoca entre fonemas e letras. Ex: veis (vez), mininas (meninas), ispanto (espanto).
j) Dificuldade na escrita das irregularidades da língua - a motivação para a escrita destas palavras está ligada à sua origem, envolvendo, portanto alguma forma de memorização. A criança erra por optar por uma letra que não é a forma convencional de grafar a palavra, embora seja uma escolha possível entre as representações disponíveis na língua para o fonema que pretende grafar. Exs: ora (hora), comesou (começou).
l) Erros por hipercorreção – ao compreender cada vez mais a distinção entre língua falada e língua escrita bem como abandona o ideal de uma regularidade absoluta na correspondência entre letra e som, a criança começa a se corrigir. Neste processo, a criança pode fazer generalizações indevidas para contextos onde certa regra não deveria ser empregada. Exs: resistio (resistiu), paes (pais), does (dois).
m) Troca de letras por semelhanças na grafia – a criança troca uma letra por outra que possui semelhança na grafia. Exs: mome (nome), geriam (queria).
n) Omissão de letra – a criança omite uma letra, sem motivo aparente. Exs: dis (disse), digitalido (digitalizado).
A criança ao aprender a escrever terá que refletir sobre a língua escrita a fim de compreender seus diferentes aspectos: fonológicos, morfológicos, sintáticos, semânticos e pragmáticos. Aos poucos a criança irá perceber que não podemos escrever exatamente da mesma forma que as palavras são pronunciadas, o que a fará refletir sobre as irregularidades da Língua Portuguesa.
Ainda existem várias dúvidas a respeito de como tratar o ensino e a aprendizagem da ortografia da Língua Portuguesa. Porém, é importante ressaltar que o ensino da ortografia não deve estar dissociado da leitura e produção de textos. Isto porque ao ler e ao escrever seus textos, a criança estará utilizando de forma significativa a ortografia e compreendendo claramente uma das principais funções da ortografia: facilitar a comunicação por meio da normatização da grafia. Este ensino também precisa ser sistematizado de acordo com os objetivos que se deseja alcançar com determinado grupo de alunos. Portanto, um maior conhecimento sobre como se estrutura o sistema ortográfico da Língua Portuguesa se faz necessário, a fim de entender melhor os progressos e dificuldades que as crianças enfrentam nessa fase.
 
Ana Caroline F. de C. e Souza
Mestre em Psicologia – UFRJ


Referências

Cardoso-Martins,C.(Org.). (1995). Consciência fonológica e alfabetização. Petrópolis: Vozes.

Carraher, T. N. (1985) Explorações sobre o desenvolvimento da competência em ortografia em português. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 1(3), 269-285.

Correa, J. (2001). A aquisição do sistema de escrita por crianças. Em J. Correa, A. Spinillo e S. Leitão. Desenvolvimento da Linguagem: escrita e textualidade. 19 – 70. Rio de Janeiro: Nau/FAPERJ.

Ferreiro, E. e Teberosky, A. (1985). Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas.
Lemle, M. (2003). Guia teórico do alfabetizador. São Paulo: Ática.

Meireles, E.S. (2004). A tarefa de erro intencional prediz a competência ortográfica da criança? Investigações acerca de aspectos morfossintáticos e contextuais da Língua Portuguesa. Dissertação não-publicada. Rio de Janeiro: UFRJ.

Morais, A. G. (2000). O aprendizado da ortografia. Belo Horizonte: Autêntica.

Morais, A. G. (2003). Ortografia: ensinar e aprender. São Paulo: Ática. Souza, A. C. F. C. (2006). Análise da escrita ortográfica de crianças em diferentes contextos de produção de texto. Dissertação não-publicada. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

3 comentários :

  1. Querida Rosangela, parabéns pelo texto.
    Beijos ótimo sábado e excelente domingo

    ResponderExcluir
  2. Olá Rosângela!Parabéns pela postasgem.Um lindo domingo a você.

    ResponderExcluir
  3. Olá Multiplicadora Rosângela, obrigado por fazer parte da nossa Família de Educadores.

    Estamos encantados com as informações deste blog maravilhoso!
    Multiplicadora será um enorme prazer publicar (se quiser) também este cantinho, já estar tudo pronto; é seguir os passos já conhecidos e pronto, estará publicado!

    Fiquemos na Paz de Deus e até breve.

    ResponderExcluir

Fique a vontade.Compartilhe sua opinião!
Gosto de trocar e somar ideias.
Obrigada pela visita!
Um abraço, Rosangela

RESULTADO EM AÇÂO!



csp6961069

Na aventura de aprender de nossas crianças e jovens,
pais e professores são a bússola para o caminho de
descobertas e aprendizagens significativas e felizes.
(Rosangela Vali - Pedagoga e Psicopedagoga)

"Somos diferentes, mas não queremos ser transformados em desiguais. As nossas vidas só precisam ser acrescidas de recursos especiais".

(Peça de teatro: Vozes da Consciência,BH)

MotivAÇÃO FAZ BEM!

Hoje Acordei Para Vencer! A automensagem positiva logo pela manhã é um estímulo que pode mudar o seu humor, fortalecer sua autoconfiança e, pensando positivo, você reunirá forças para vencer os obstáculos. Não deixe que nada afete seu estado de espírito. envolva-se pela música, cante ou ouça. Comece a sorrir mais cedo. ao invés de reclamar quando o relógio despertar, agradeça a Deus pela oportunidade de acordar mais um dia. O bom humor é contagiante: espalhe-o. Fale de coisas boas, de saúde, de sonhos, com quem você encontrar. Não se lamente, ajude as outras pessoas a perceber o que há de bom dentro de si. Não viva emoções mornas e vazias. Cultive seu interior, extraia o máximo das pequenas coisas. Seja transparente e deixe que as pessoas saibam que você as estima e precisa delas. Repense seus valores e dê a si mesmo a chance de crescer e ser mais feliz. Tudo que merece ser feito, merece ser bem feito. Torne suas obrigações atraentes, tenha garra e determinação. Mude, opine, ame o que você faz. Não trabalhe só por dinheiro e sim pela satisfação da "missão cumprida". Lembre-se: nem todos têm a mesma oportunidade. Pense no melhor, trabalhe pelo melhor e espere pelo melhor. Transforme seus momentos difíceis em oportunidades. Seja criativo, buscando alternativas e apresentando soluções ao invés de problemas. Veja o lado positivo das coisas e assim você tornará seu otimismo uma realidade. Não inveje. Admire! Seja entusiasta com o sucesso alheio como seria com o seu próprio. Idealize um modelo de competência e faça sua auto-avaliação para saber o que está lhe faltando para chegar lá. Ocupe seu tempo crescendo, desenvolvendo sua habilidade e seu tempo. Só assim não terá tempo para criticar os outros. Não acumule fracassos e sim experiências. Tire proveito de seus problemas e não se deixe abater por eles. Tenha fé e energia, acredite: Você pode tudo o que quiser. Perdoe, seja grande para os aborrecimentos, pobre para a raiva, forte para vencer o medo e feliz para permitir a presença de momentos infelizes. Não viva só para seu trabalho. Tenha outras atividades paralelas como: esportes, leitura... cultive amigos. O trabalho é uma das contribuições que damos para a vida, mas não se deve jogar nele todas as nossas expectativas de realizações. Finalmente, ria das coisas a sua volta, ria de seus problemas, de seus erros, ria da vida: "A gente começa a ser feliz quando é capaz de rir da gente mesmo". (Autor desconhecido)

Dicas de FAZER o BEM faz BEM!

“Ninguém e nada cresce sozinho. Sempre é preciso um olhar de apoio. Uma palavra de incentivo. Um gesto de compreensão. Uma atitude de segurança. Devemos, assim, sermos gratos. Aos que nos ajudaram a crescer. E termos o propósito de não parar. E não passar em vão pela vida”. (autor desconhecido)

Aprender no Coletivo!

"Quanto mais rica

a experiência humana,

tanto maior será

o material disponível

para a imaginação e

a criatividade".

(Lev S. Vygostsky)


Na aventura de aprender de nossas crianças e jovens, pais e professores são a bússola para o caminho de descobertas e experiências
significativas e felizes.
(Rosangela Vali - Pedagoga e Psicopedagoga)


ATENDIMENTO PSICOPEDAGOGICO


Sou participante em...

Ocorreu um erro neste gadget
Loading...
Salmo 16:8 -
(Com ELE, nos FORTALECEMOS!)

Selinhos Amigos e Parceiros neste BLOG! OBRIGADA!