quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

O Lúdico na Escola=Vida


A Cultura e a  Educação Lúdica 

Há controvérsias sobre a origem de brincar. Poderia ser do alemão blinken, brilha, cintilar, com evolução para o sentido de agitar-se, semelhante à palavra latina caruscare, brilhar, luzir. No espanhol a palavra correspondente serie juguete, deriva de juego, originário do latim jocus, significando gracejo, graça, pilhéria. De forma semelhante, o tempo francês jouet deriva de jouer, que surgiu do latim jocare, gracejar, zombar. O termo italiano gioco vem do latim jocus.
Nesta mesma enciclopédia temos o termo lúdico como expressão portuguesa originária do ludus latino, sinônimo de jocus.

Na prática pode-se dizer que  Brincar é uma atividade humana criadora na qual a imaginação a fantasia e a realidade se interagem na produção de novas possibilidades de expressão, interpretação e ação das crianças construindo relações culturais e sociais com outros sujeitos.  
A criança cria cultura. Ela reconstrói das ruínas, refaz dos pedaços. 
A cultura infantil é, pois, produção e criação.

Reflexões:
 
Se o lúdico é tão discutido por psicólogos e pensadores, não seria este momento da escola parar e refletir também sobre a importância do lúdico (jogos e brinquedos) para a criança? 


Quais os benefícios para ela? 
Como utilizar essas atividades lúdicas para a aquisição da linguagem escrita e do conhecimento como um todo?
Com o passar dos anos, a criança deixa o meio familiar e vai ao encontro de uma outra realidade: a escola. 
Como será esta escola? 
O que encontrará? 
Como precisará se comportar? 

Nossos espaços e proposta curricular têm oferecido às crianças condições para produzirem e criarem?

PIAGET (1973) mostra claramente em suas obras que os jogos não são apenas uma forma de desafogo ou entretenimento para gastar energia das crianças, mas meios que contribuem e enriquecem o desenvolvimento intelectual.
Para PIAGET (1973), os jogos e as atividades lúdicas tornaram-se mais significativas à medida que a criança se desenvolve; com a livre manipulação de materiais variados, ela passa a reconstituir, reinventar as coisas, o que já existe uma adaptação mais completa. Essa adaptação só é possível a partir do momento em que ela própria evolui internamente, transformando essas atividades lúdicas, que é o concreto da vida dela, em linguagem escrita, que é o abstrato.


Segundo VYGOTSKY (1987), a escrita é muito mais difícil do que parece, embora, sua aprendizagem interaja com a da leitura.
Ao incluir-se a escrita junto com a leitura, vê-se que aprender a ler é uma tarefa dificílima para uma criança de 7 anos.
Neste momento as habilidades psicomotoras incluem destreza manual e digital, coordenação mãos-olhos, resistência à fadiga e equilíbrio físico. Fica claro que a escrita é, enquanto conjunto de movimentos coordenados, um exemplo de complexidade para a criança.
Se para a criança a escrita é uma atividade complexa, o jogo, ao contrário, é um comportamento ativo, orientado, frequentemente vigoroso, manipulativo, cuja estrutura ajuda na apropriação motora necessária para a escrita.


Ao lado das atividades de integração da criança à escola, deve-se promover a leitura e a escrita juntamente, utilizando-se para isto a dramatização, conversas, recreação, desenho, música, histórias lidas e contadas, gravuras, contos e versos.
Em suma, a escola deve aproveitar as atividades lúdicas para o desenvolvimento físico, emocional, mental e social da crian
ça.
Assim sendo,espera-se que cada educador possa:
Relacionar o jogo aos objetivos de aprendizagem. 
Observar como o aluno está brincando. 
Delimitar um espaço físico e temporal. 
Sugerir, estimular, explicar sem impor determinada forma de agir. 
Observar e avaliar o desenvolvimento do aluno. 
Envolver-se nas atividades propostas.
Estabelecer um clima de respeito e consideração pelo adversário.
Propor mudança de atividade quando necessário.
Auxiliar na formação do hábito de reorganização do espaço após o jogo. 

Enfim:
É fundamental que os educadores, seres brincantes por formação e por natureza contribuam ativamente para a ampliação do lúdico na escola.
O investimento da criança no planejamento, na organização das brincadeiras, com a intenção de definir e negociar papeis, turnos de participação, cenários, regras, ações, significados e conflitos, além de jogos de imaginação é impressionante .
Enfim, é preciso que as crianças brinquem. É preciso aprender com eles a rir, a inverter a ordem, a representar, a imitar, a imaginar, sonhar. 
O Simbolismo, a Representação e o Imaginário na Educação

Para KISHIMOTO (1997, p. 42), o jogo, a brincadeira, o brinquedo, o desenho, a pintura, a escultura e a dramatização, são ferramentas de vital importância para aumentar o aspecto das potencialidades humanas e da personalidade criativa.
Segundo ele, dentre as inúmeras classificações existentes de jogo/brincadeiras, algumas modalidades são:


1. Brinquedo e jogo educativo?
Utilizado desde o renascimento ganha ênfase a partir deste século. Entendido como recurso que ensina, desenvolve e educa de forma prazerosa, o brinquedo materializa-se no quebra-cabeça, destinado a ensinar formas ou cores, nos brinquedos de tabuleiros que exigem a compreensão do número e das operações matemáticas, nos brinquedos de encaixe, que trabalhem noções de seqüência, de tamanho e forma, nos múltiplos brinquedos e brincadeiras cuja concepção exigiu um olhar para o desenvolvimento infantil relacionados à percepção sonora, visual, gráfica, motora, corporal e outras. O uso do brinquedo/jogo educativo com fins pedagógicos implica a relevância desse instrumento para situações de aprendizagem e desenvolvimento infantil. Ao assumir a função lúdica/educativa o brinquedo educativo propicia prazer e diversão, completa a criança em seu saber e conhecimento.

2. Brincadeiras tradicionais infantis - considerada como parte da cultura popular, está inserida no folclore, expressando-se pela oralidade, essa modalidade de brincadeira transmite a produção cultural de um novo em um determinado período histórico. A cultura não-oficial desenvolvida de modo oral está sempre em transformação, incorporando criações anônimas das gerações que vão se sucedendo. Por ser elemento folclórico, a brincadeira tradicional infantil assume características de anonimato, tradicionalidade, transmissão oral, mudança e universalidade. Não se conhece a origem da amarelinha, pião, jogo da velha e outras. Por pertencer à categoria de experiências transmitidas espontaneamente conforme motivações internas da criança, as brincadeiras tradicionais infantis garantem a presença do lúdico e do imaginário.


3.Brincadeiras de faz-de-conta- também conhecida como simbólica, de representação de pap
eis ou sociodramática, é a que deixa mais evidente a presença da situação imaginária. Ela surge na criança com o aparecimento da representação da linguagem, em torno dos dois a três anos, quando a criança começa a alterar o significado dos objetos, a expressar seus sonhos e fantasias e a assumir papeis no contexto social. A brincadeira do faz-de-conta permite a entrada do imaginário e também da expressão de regras implícitas que se materializam nos temas das brincadeiras. O conteúdo do imaginário provém de experiências anteriores adquiridas pelas crianças, em diferentes contextos.


4. Brincadeiras e jogos de construção - são considerados de grande importância por enriquecer a experiência sensorial, estimular a criatividade e desenvolver habilidades na criança.

Leia mais em:
http://www.webartigos.com/artigos/alfabetizacao-e-o-ludico-a-importancia-dos-jogos-e-brincadeiras/51664/#ixzz2BpiWFWlH

Bibliografia de APOIO:
Brincadeira e Desenvolvimento Infantil: Um olhar sociocultural Construtivista – Norma Lúcia Queiróz e outros FE UnB 

Brincar de Pensar com Histórias- Irene Puig e Angélica Satiro 

Revista Nova Escola- Edição Especial Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil – MEC Ensino Fundamental de nove anos - ME Gadner, Howard. Estruturas da Mente – Ed Artes Medicas 

As Artes e o Desenvolvimento Humano. Golemam, Daniel. Inteligência Emocional.

2 comentários :

  1. Oi. Tudo bem?
    Possuo um blog com Atividades para Alfabetização e estou dando o selinho PROFISSÃO PROFESSOR para o seu blog. É só você entrar no meu blog e clicar em "Selinho", do lado direito. Espero que goste.
    Tenha um ótimo ano letivo.

    ResponderExcluir
  2. Oi Rosangela...gostei muito do seu blog..vou aprender muito por aqui...já visitei o outro blog também...
    que disposição para trabalhar...Um blog só já me dá muito trabalho...
    Parabéns...
    Vanessa Ribeiro Marins

    ResponderExcluir

Fique a vontade.Compartilhe sua opinião!
Gosto de trocar e somar ideias.
Obrigada pela visita!
Um abraço, Rosangela

RESULTADO EM AÇÂO!



csp6961069

Na aventura de aprender de nossas crianças e jovens,
pais e professores são a bússola para o caminho de
descobertas e aprendizagens significativas e felizes.
(Rosangela Vali - Pedagoga e Psicopedagoga)

"Somos diferentes, mas não queremos ser transformados em desiguais. As nossas vidas só precisam ser acrescidas de recursos especiais".

(Peça de teatro: Vozes da Consciência,BH)

MotivAÇÃO FAZ BEM!

Hoje Acordei Para Vencer! A automensagem positiva logo pela manhã é um estímulo que pode mudar o seu humor, fortalecer sua autoconfiança e, pensando positivo, você reunirá forças para vencer os obstáculos. Não deixe que nada afete seu estado de espírito. envolva-se pela música, cante ou ouça. Comece a sorrir mais cedo. ao invés de reclamar quando o relógio despertar, agradeça a Deus pela oportunidade de acordar mais um dia. O bom humor é contagiante: espalhe-o. Fale de coisas boas, de saúde, de sonhos, com quem você encontrar. Não se lamente, ajude as outras pessoas a perceber o que há de bom dentro de si. Não viva emoções mornas e vazias. Cultive seu interior, extraia o máximo das pequenas coisas. Seja transparente e deixe que as pessoas saibam que você as estima e precisa delas. Repense seus valores e dê a si mesmo a chance de crescer e ser mais feliz. Tudo que merece ser feito, merece ser bem feito. Torne suas obrigações atraentes, tenha garra e determinação. Mude, opine, ame o que você faz. Não trabalhe só por dinheiro e sim pela satisfação da "missão cumprida". Lembre-se: nem todos têm a mesma oportunidade. Pense no melhor, trabalhe pelo melhor e espere pelo melhor. Transforme seus momentos difíceis em oportunidades. Seja criativo, buscando alternativas e apresentando soluções ao invés de problemas. Veja o lado positivo das coisas e assim você tornará seu otimismo uma realidade. Não inveje. Admire! Seja entusiasta com o sucesso alheio como seria com o seu próprio. Idealize um modelo de competência e faça sua auto-avaliação para saber o que está lhe faltando para chegar lá. Ocupe seu tempo crescendo, desenvolvendo sua habilidade e seu tempo. Só assim não terá tempo para criticar os outros. Não acumule fracassos e sim experiências. Tire proveito de seus problemas e não se deixe abater por eles. Tenha fé e energia, acredite: Você pode tudo o que quiser. Perdoe, seja grande para os aborrecimentos, pobre para a raiva, forte para vencer o medo e feliz para permitir a presença de momentos infelizes. Não viva só para seu trabalho. Tenha outras atividades paralelas como: esportes, leitura... cultive amigos. O trabalho é uma das contribuições que damos para a vida, mas não se deve jogar nele todas as nossas expectativas de realizações. Finalmente, ria das coisas a sua volta, ria de seus problemas, de seus erros, ria da vida: "A gente começa a ser feliz quando é capaz de rir da gente mesmo". (Autor desconhecido)

Dicas de FAZER o BEM faz BEM!

“Ninguém e nada cresce sozinho. Sempre é preciso um olhar de apoio. Uma palavra de incentivo. Um gesto de compreensão. Uma atitude de segurança. Devemos, assim, sermos gratos. Aos que nos ajudaram a crescer. E termos o propósito de não parar. E não passar em vão pela vida”. (autor desconhecido)

Aprender no Coletivo!

"Quanto mais rica

a experiência humana,

tanto maior será

o material disponível

para a imaginação e

a criatividade".

(Lev S. Vygostsky)


Na aventura de aprender de nossas crianças e jovens, pais e professores são a bússola para o caminho de descobertas e experiências
significativas e felizes.
(Rosangela Vali - Pedagoga e Psicopedagoga)


ATENDIMENTO PSICOPEDAGOGICO


Sou participante em...

Ocorreu um erro neste gadget
Loading...
Salmo 16:8 -
(Com ELE, nos FORTALECEMOS!)

Selinhos Amigos e Parceiros neste BLOG! OBRIGADA!