sábado, 25 de abril de 2015

Desafios e Possibilidades de COMO ENSINAR UMA CRIANÇA COM TDA/H

Prática e Realidade
Aprendizes e TDA/H
Como professora e buscadora psicopedagógica, compartilho um embate e situação cotidiana com nossos aprendizes que apresentam o quadro de TDA/H. 
Particularmente, sou ciente de muitos aprendizes estarem sem organização interna e externa por falta de limites e estrutura familiar, o que não é caso de TDA/H,  enfatizo aqui quadros do transtorno já comprovados neurologicamente e por comportamento de muito tempo observados por mim, em atendimento e que veem prorrogando e me inquietando quando é estar com eles em sala de aula e pouco se consegue de avanços de aprendizagem, fator preocupante quando não ocorre a alfabetização, maior desafio para mim no momento.
Trabalho com equipe multidisciplinar, pouco a escola consegue ter e manter contato significativo. Acontece  em contatos esporádicos via relatórios com profissionais afins. O trabalho se desvincula por questão da falta de planejamento e tempo de encontros e avaliações e os avanços e entendimento para auxiliar nossos aprendizes fica ineficaz. Desanimar, acontece, mas desistir não. 
Acreditar e enfrentar os desafios é preciso.
Por isso na busca de  material literário, virtual e prático para planejamento com eixo psicopedagógico, compartilho as informações a seguir, que podem nutrir e motivar sua prática como pais, professores e psicopedagogos e acreditar que podem criar resultados positivos, que concomitantemente interligar criatividade e praticidade para elaboração de material próprio e  poder aplicar com nossos aprendizes.
Qualquer novidade e esclarecimento, entre em contato,caso queira interagir sobre o tema.
Que possamos ousar, acreditar em aprendizagem para todos.
Bom proveio, Rosangela Vali.

TDA/H é um problema do funcionamento de certas áreas do cérebro que comandam o comportamento inibitório, (freio), a capacidade de executar tarefas de planejamento, a memória de trabalho, (entre outras funções), determinando que o indivíduo apresente sintomas de desatenção, agitação, (hiperatividade), e impulsividade. É a condição crônica de saúde de maior prevalência em crianças em idade escolar É o distúrbio neuro comportamental mais comum na infância Não é um transtorno de conduta moral e sim um transtorno neurobiológico.
    
ESTRATÉGIAS E SUPORTES PARA LIDAR COM PROBLEMAS SOCIAIS E EMOCIONAIS:
-Tente variar a organização de assentos para proporcionar uma situação em que o aluno sinta-se confortável. 
-Dê ao aluno responsabilidade na sala de aula / escola. 
-Reduza o número de tarefa ou modifique para possibilitar um maior índice de sucesso nos alunos. 
-Tente identificar o que está causando estresse e frustração ao aluno. 
-Reduza tarefas com papel / lápis e permita outros meios de produção. 
-Amplie o tempo para completar a tarefa.
-Use instruções curtas acompanhadas por demonstração ou exemplo visual. 
-Use um cronômetro para determinar o tempo a ser gasto em uma tarefa específica. 
-Forneça atividades que o aluno possa ter sucesso (academicamente e socialmente). 
-Envolva os alunos em atividades de monitoria com crianças menores. 
-Arranje mensagens para o aluno levar outras salas de aula ou para secretarias. 
-Descubra o interesse dos alunos e proporcione atividades que correspondam a esses interesses. 
-Tendem envolver os alunos em atividades extracurriculares. 
-Chame atenção para as potencialidades dos alunos e demonstre os talentos dele /dela, suas ilhas de competência. 
-Dê responsabilidades ao aluno de ser um assistente do professor, monitor, modelo, líder do grupo, etc. 
-Converse com professores, funcionários de apoio, orientadores, assistente sociais sobre esta criança. 
-Aumente a comunicação com os pais. 
-Aumente as oportunidades de encontrar com o aluno individualmente e estabelecer um relacionamento de apoio. 
-Dê a esta criança um monitor que possa lhe dar suporte e ser tolerante. 
-Ensine habilidades sociais apropriadas, estratégias de lidar com situações e resolver problemas.
-Ensine habilidades sociais apropriadas, estratégias de lidar com situações. 
-Forme pares de alunos com monitores de séries mais avançadas ou um amigo especial, entre a equipe. 
-Aumente significativamente as interações positivas, frequência de elogios e feedback. 

ENCORAJAMENTO E APRECIAÇÃO
*Eu aprecio o esforço que você usou nesta tarefa.
*Continue pensando nessas boas ideias. 
*Esse B+ reflete seu esforço. 
*Você deve estar orgulhoso de si mesmo. 
*...............(nome do aprendiz), eu percebi que você estava bem preparado para a aula de hoje. Realmente ajudou você ter arrumado sua carteira e em ordem o seu caderno. 
*Eu gosto da maneira que você lidou com aquele problema. 
*Você deve sentir-se bem em ver o progresso que você está fazendo. 
*Seu esforço está sendo compensado. 
*É isso mesmo... continue praticando e logo você saberá tudo. 
*Aposto que você se dedicou muito nesta questão. 
*Eu percebi que os alunos da mesa 2 realmente se ajudaram e trabalharam como equipe. Meus parabéns. 
*...........(nome do aprendiz), você seguiu as instruções rapidamente. 
*Eu aprecio sua cooperação. 
*Eu percebi que você realmente se dedicou a melhorar sua caligrafia. Posso ver uma melhora na sua letra. 
*Eu agradeço a maneira que você ajudou ........ com o que ela perdeu ontem por ter faltado a aula. Você realmente é um companheiro responsável. 
*Olha que melhora! Realmente mostra que você se dedicou com tempo e esforço. 
*Eu estou confiante que você fará uma boa escolha. 
*Você consegue fazer isto ! 
*Você está ficando melhor em... 
*Essa é difícil. Mas eu tenho certeza que você pode entender. 
*...........(nome do aprendiz), você está mostrando um grande auto-controle esta manhã. Você se lembrou de levantar a mão quando quer falar e está respeitando o espaço dos outros alunos. 

Fonte:Vanda Rambaldi Psicóloga Autora Consultada: Sandra Rief Greenhill LL J Clin Psychiatry, 1998 

Dicas - Realização de atividades em casa e na escola.
Para introduzir um assunto ou comentário novo, deve-se utilizar materiais didáticos variados em termos de cores, formas e tamanhos para que a criança possa manuseá-los. 
-Para a realização do “para casa”, o ambiente deve ter o mínimo de estímulos que possam desviar sua atenção. Evite objetos cortantes ou que possam se quebrar facilmente. Quebrar ou estragar objetos é muito comum entre as pessoas com TDA/H, e eles tendem se sentir culpados ao fazê-lo, experimentando angústia e estresse após a ocorrência do fato. 
-Para estabelecer um bom vínculo, olhe nos olhos e ouça o que o aluno tem a dizer; isto inclui seus objetivos, suas expectativas e medos. 
-Considerando que o planejamento é uma tarefa muito complicada para o aluno, auxilie-o pré-estabelecendo regras, objetivos, tempos e limites. Estes últimos devem ser colocados de maneira firme, porém sem o intuito de punir.
-Repita várias vezes às regras de forma clara e objetiva, sem um tom de cobrança. 
-Peça-o para repetir o que entendeu sobre o que acabou de ouvir. 
-Evite pressioná-lo com relação ao tempo com frases do tipo: “Ande rápido, seu tempo está se esgotando” ou “Acelere e pare de fazer hora”. 
-Monitorize o tempo de forma que sempre fiquem alguns minutos a mais para qualquer imprevisto. 
-Sinalize sempre quando estiver faltando alguns minutos para acabar a tarefa proposta. 
-Dê intervalos de 5 minutos a cada 40 minutos de trabalho para que o aluno possa movimentar-se, beber água, ir ao banheiro, etc. 
-Avise sobre possíveis mudanças com antecedência, para que ele se prepare e ajude-o a monitorar os imprevistos, pois estes são vividos com muito sofrimento pelo aluno. 
-Acompanhe a execução das tarefas, que devem ser realizadas por etapas e em passos pequenos. O conteúdo deve ser introduzido em pequenas quantidades, para ser lido e trabalhado. 
-O uso de marcadores de texto, gráficos, mapas, figuras, jogos, músicas, listas de lembretes e softwares interativos têm um papel importante no processo de aprendizagem do aluno com TDA/H. 
-Frequentemente, elogie os avanços no processo de aprendizagem, encorajando-o a continuar e reforçando positivamente com pequenos “brindes” ou “surpresinhas". 
-Estimule a participação do aluno em tarefas variadas, pedindo que faça pequenos favores como dar um recado ou buscar um objeto em outro lugar. Depois, estimule perguntas que facilitam a auto-observação do tipo: “o que acabei de fazer ?” ou “o que fiz hoje de legal ?” ou ainda peça para descrever uma cena, recontar histórias, relatar o que fez em um final de semana. 
-Sempre que possível, use o lúdico e a novidade. “Contar segredos no pé do ouvido” sempre aguça a curiosidade e garante a atenção do aluno. 
-Para que haja uma boa memorização, use dicas, macetes, lembretes, despertador e músicas cujas letras referem-se ao tema da aprendizagem. 
-Quando perceber o aluno se dispersando, aproxime-se dele, toque-o nos ombros, olhe-o nos olhos, altere seu tom de voz variando entre o grave e o agudo, mude sua expressão facial e gestos. 
-Evite corrigir a falta de atenção do aluno em voz alta diante de outras pessoas, pois ele poderá se sentir humilhado e reagir de forma mais distante ou mesmo agressiva. 
-Na sala de aula, o aluno deve senta-se próximo à professora, para que esta possa destinar-se a atenção necessária sem causar-lhe constrangimento ou despertar ciúmes no restante da turma.
-Evite colocar o aluno perto de janelas ou portas, pois ele pode ser facilmente distraído por estímulos externos. 
-Incentivos e reforços positivos do tipo: uma piscadinha, um tapinha nas costas ou um sinal de “joia” com a mão, são sempre bem vindos e aumentam a motivação para continuar as atividades. -Incentive-o a praticar esportes individuais ou coletivos para que entre em contato com novas regras, gaste bastante energia e possa se integrar com outras pessoas. 
É IMPORTANTE LEMBRAR que pessoas com TDA/H são normalmente pessoas muito criativas e inteligentes. Quando cuidados por pessoas capacitadas, certamente se tornarão indivíduos mais realizados e felizes.

(FONTE: Distraído e a 1000 por hora, de Simone Sena e Orestes Neto) 
FONTE:http://maisqueumsegundofeliz.blogspot.com/2009/07/sugestoes-paraensinar-todos-os-alunos.html

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Fique a vontade.Compartilhe sua opinião!
Gosto de trocar e somar ideias.
Obrigada pela visita!
Um abraço, Rosangela

RESULTADO EM AÇÂO!



csp6961069

Na aventura de aprender de nossas crianças e jovens,
pais e professores são a bússola para o caminho de
descobertas e aprendizagens significativas e felizes.
(Rosangela Vali - Pedagoga e Psicopedagoga)

"Somos diferentes, mas não queremos ser transformados em desiguais. As nossas vidas só precisam ser acrescidas de recursos especiais".

(Peça de teatro: Vozes da Consciência,BH)

MotivAÇÃO FAZ BEM!

Hoje Acordei Para Vencer! A automensagem positiva logo pela manhã é um estímulo que pode mudar o seu humor, fortalecer sua autoconfiança e, pensando positivo, você reunirá forças para vencer os obstáculos. Não deixe que nada afete seu estado de espírito. envolva-se pela música, cante ou ouça. Comece a sorrir mais cedo. ao invés de reclamar quando o relógio despertar, agradeça a Deus pela oportunidade de acordar mais um dia. O bom humor é contagiante: espalhe-o. Fale de coisas boas, de saúde, de sonhos, com quem você encontrar. Não se lamente, ajude as outras pessoas a perceber o que há de bom dentro de si. Não viva emoções mornas e vazias. Cultive seu interior, extraia o máximo das pequenas coisas. Seja transparente e deixe que as pessoas saibam que você as estima e precisa delas. Repense seus valores e dê a si mesmo a chance de crescer e ser mais feliz. Tudo que merece ser feito, merece ser bem feito. Torne suas obrigações atraentes, tenha garra e determinação. Mude, opine, ame o que você faz. Não trabalhe só por dinheiro e sim pela satisfação da "missão cumprida". Lembre-se: nem todos têm a mesma oportunidade. Pense no melhor, trabalhe pelo melhor e espere pelo melhor. Transforme seus momentos difíceis em oportunidades. Seja criativo, buscando alternativas e apresentando soluções ao invés de problemas. Veja o lado positivo das coisas e assim você tornará seu otimismo uma realidade. Não inveje. Admire! Seja entusiasta com o sucesso alheio como seria com o seu próprio. Idealize um modelo de competência e faça sua auto-avaliação para saber o que está lhe faltando para chegar lá. Ocupe seu tempo crescendo, desenvolvendo sua habilidade e seu tempo. Só assim não terá tempo para criticar os outros. Não acumule fracassos e sim experiências. Tire proveito de seus problemas e não se deixe abater por eles. Tenha fé e energia, acredite: Você pode tudo o que quiser. Perdoe, seja grande para os aborrecimentos, pobre para a raiva, forte para vencer o medo e feliz para permitir a presença de momentos infelizes. Não viva só para seu trabalho. Tenha outras atividades paralelas como: esportes, leitura... cultive amigos. O trabalho é uma das contribuições que damos para a vida, mas não se deve jogar nele todas as nossas expectativas de realizações. Finalmente, ria das coisas a sua volta, ria de seus problemas, de seus erros, ria da vida: "A gente começa a ser feliz quando é capaz de rir da gente mesmo". (Autor desconhecido)

Dicas de FAZER o BEM faz BEM!

“Ninguém e nada cresce sozinho. Sempre é preciso um olhar de apoio. Uma palavra de incentivo. Um gesto de compreensão. Uma atitude de segurança. Devemos, assim, sermos gratos. Aos que nos ajudaram a crescer. E termos o propósito de não parar. E não passar em vão pela vida”. (autor desconhecido)

Aprender no Coletivo!

"Quanto mais rica

a experiência humana,

tanto maior será

o material disponível

para a imaginação e

a criatividade".

(Lev S. Vygostsky)


Na aventura de aprender de nossas crianças e jovens, pais e professores são a bússola para o caminho de descobertas e experiências
significativas e felizes.
(Rosangela Vali - Pedagoga e Psicopedagoga)


ATENDIMENTO PSICOPEDAGOGICO


Sou participante em...

Ocorreu um erro neste gadget
Loading...
Salmo 16:8 -
(Com ELE, nos FORTALECEMOS!)

Selinhos Amigos e Parceiros neste BLOG! OBRIGADA!